Portugal: solidariedade com Jonathan, um antifascista consistente perseguido.

CNT-AIT Redon 35 e anarcosindicalistas do Portugal

Jonathan é um ativista de 32 anos, envolvido na luta antifascista desde os 14. Em 2016, ele ajudou a construir uma rede antifascista.

Nunca escondendo suas ideias, ele sempre assumiu as consequências com compromisso e responsabilidade.
Em Portugal como em França, a extrema-direita nacionalista está a difundir a sua teia, contando em particular com grupos ultraviolentos fascistas e neonazis, muitas vezes compostos por soldados ou polícias.
Jonathan tem sido repetidamente alvo de intimidação e até de de tentativas de assassinato por neonazistas. A parede de sua casa estava marcada com seu nome e uma ameaça de morte. Em janeiro de 2019, os neonazistas tentaram atropelá-lo com um carro quando ele estava saindo do emprego.

A 20 de fevereiro de 2020, quando Jonathan saía da estação de Braga e se preparava para pegar um Uber, foi atacado por um grupo de dez adeptos neonazis do clube desportivo bracarense, membros do “Escudo da Identidade”. Enquanto enfrentava seus agressores em legítima defesa, Jonathan feriu um de seus agressores, mas sua vida não foi colocada em perigo.

Os neonazistas, que, no entanto, proclamam sua desconfiança no sistema de justiça que consideram muito frouxo, no entanto, mostraram sua covardia e inconsistência política ao apresentar uma queixa contra Jonathan. É preciso dizer que eles tinham boas razões para acreditar que a justiça não é tão frouxa como dizem, quando se trata de condenar os antifascistas e os rebeldes em geral …

Jonathan, portanto, foi a julgamento em 1º de junho. O juiz dispensou as testemunhas de defesa, recusando-se a registrar o depoimento do motorista do VTC, para manter apenas o depoimento dos fascistas.

No julgamento, o neonazista procurou mitigar sua responsabilidade, inicialmente negando ser membro do Escudo de Identidade, embora tenha sido listado como tal nos registros policiais. Acabou admitindo ter « vínculos » com elementos desse grupo de extrema direita, mas jurando que só havia colaborado em ações beneficentes, dando comida para famílias carentes e brinquedos para crianças. A propósito, notamos que este é o mesmo sistema de defesa que os fascistas no julgamento após o assassinato de Clément Meric. O neonazista explicou que a lesão sofrida, que nunca colocou sua vida em risco e não teve consequências, mudou sua vida para sempre e exigiu 15 mil euros de indenização.

Jonathan Costa,obrero de profissão, disse que também foi obrigado a deixar de viver, uma vez que com a sua companheira – que está desempregada – e a sua filha de 2 anos, tiveram de se mudar para um abrigo das ameaças que recebiam regularmente.

Embora Jonathan seja alvo de constantes ameaças (em agosto de 2020, um ex-comando militar do grupo neonazista Nova Ordem Social enviou-lhe uma mensagem indicando « sabemos onde você e sua família dormem »), o juiz não quis reter a legítima defesa e condenado por Jonathan por « atacar a integridade física sem intenção de matar » a uma pena suspensa de um ano e meio de prisão e a pagar 7.000 € ao fascista.

O movimento « antifa » português não brilhou com a sua solidariedade no caso de Jonathan. Vários grupos e indivíduos se dissociaram, em particular por medo das possíveis consequências para sua pequena pessoa que um consequente antifascismo implica. Eles parecem ter descoberto que o antifascismo é mais do que beber cerveja em shows e posar orgulhosamente em frente a uma bandeira para postar nas redes sociais, e que um consequente ativismo político pode ter consequências dramáticas no conforto de sua vida. . Esses grupos, muitas vezes surgidos recentemente, estão em competição entre si para saber quem representará melhor o movimento em particular nas redes sociais, não hesitando em boicotar uns aos outros em vez de se coordenar, para o maior prazer dos fascistas …

Após sua condenação, Jonathan considerou que “foram legitimados ataques em grupo, por parte da extrema-direita foi criminalizada a autodefesa face a estes ataques, a justiça portuguesa assumiu o seu lado e terá que assumir também cada uma das vítimas da extrema-direita que, acredito, serão cada vez mais numerosas com o tipo de posicionamento de uma justiça burguesa que apenas serve seus interesses”.

Camaradas, hoje não fui eu apenas que fui condenado, fomos todos nós, a partir de agora, espero que os iludidos acordam e percebam, de uma vez por todas, que não será nem a justiça, nem o Estado português que nos irá defender da ofensiva fascista em Portugal« .

Sobre a continuação da luta, Jonathan nota o impasse do antifascismo radical, ou melhor, daqueles que o reivindicam, que colocam mais espetáculo do que qualquer outra coisa. “hoje a luta antifascista, que é boicotada pelos partidos parlamentares, usada como centro de recrutamento e propaganda dos pequenos partidos parasitas [de extrema esquerda] e uma distração temporária para muita gente que ainda não percebeu a gravidade da época que estamos a viver”, « não será com dancinhas e lindos discursos que a extrema-direita irá recuar, nem apostando em gente oportunista que irá virar a cara, como já virou inúmeras vezes, aliás, quando as coisas apartarem e dedicarem-se a outras lutas, também não será levando está luta como um passatempo, ninguém sabe o futuro, mas eu acredito não ser da forma como está luta está a ser levada em Portugal que nós iremos vencer« .

“Eu não terminei minha luta. Espero que um dia consigamos ter uma resistência antifascista independente e forte que lute por suas convicções, fazendo dela uma prioridade. ” “Eu sempre fui e sempre serei um antifascista e quando chegar a hora, estarei na linha de frente para levar as balas como sempre fiz, mas por agora, minha luta será para autocríticas o que me levou o movimento ao seu estado atual e o avanço dos meus projetos pessoais, há muito abandonados a favor desta luta ”,

Com os nossos colegas anarco-sindicalistas portugueses, amigos da AIT, partilhamos a análise de Jonathan sobre a falência do espetáculo anti-fascismo e a necessidade de lutar frente a frente contra a extrema direita através de um trabalho local e de campo, tenaz e discreto. Somos solidários com Jonathan, sua esposa e filha, e convidamos aqueles que podem mostrar solidariedade para ajudá-los neste momento difícil.

Um ataque a um de nós é um ataque a todos !

Nunca mais fascismo !

Solidariedade internacional antifascista !

CNT-AIT redon 35 y anarco-sindicalistas portugueses

Assistência financeira para sustentar nosso companhéiero :

https://www.gofundme.com/f/cnt-ait-jonathan-c

em francês : https://cntaitinitiativeredon.wordpress.com/2021/06/09/portugal-solidarite-avec-jonathan-antifasciste-consequent-persecute/

3 commentaires sur Portugal: solidariedade com Jonathan, um antifascista consistente perseguido.

Laisser un commentaire

Votre adresse e-mail ne sera pas publiée. Les champs obligatoires sont indiqués avec *